Início arrow NOTICIAS arrow Igreja do Restelo é "aberração" para Teotónio Pereira
Igreja do Restelo é "aberração" para Teotónio Pereira Imprimir E-mail

09.11.19, Público, Ana Henriques

Um dos autores do plano de urbanização do bairro do Restelo, Nuno Teotónio Pereira, considera "uma aberração" a igreja que, anteontem, começou ali a ser construída. Para este arquitecto, a gravidade do caso deveria levar a Câmara de Lisboa a mandar parar a obra e a exigir outro projecto.

Desenhada pelo arquitecto Troufa Real, a nova igreja do Restelo inclui uma torre de cem metros de altura em forma de minarete e uma paleta cromática ousada, com paredes pintadas de dourado, vermelho, verde e cor-de-laranja. O edifício tem, num dos lados, a forma bojuda de um barco assente numas cornucópias que imitam ondas, numa alusão à época dos descobrimentos.

Autor de várias igrejas - uma das quais, a do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa, classificada como monumento nacional -, Teotónio Pereira não tem dúvidas sobre a obra que está a nascer no Restelo: "Ofende de forma muito grave a paisagem urbana e os princípios basilares da arquitectura contemporânea."

No seu entender, o projecto está completamente desenquadrado do conjunto urbano que planeou juntamente com Nuno Portas, nos anos 70, e, se for por diante, vai descaracterizar toda a encosta que se estende até ao rio. "Pela sua dimensão excessiva para as necessidades do local e pelo seu custo, nunca acreditei que fosse construído", admite. "E, do ponto de vista da arquitectura religiosa, parece-me um completo disparate. A arquitectura das igrejas deve pautar-se pela pureza de formas e pela beleza".

"Espanta-me por isso que o patriarcado e a própria câmara tenham consentido na sua construção", prossegue. "A câmara deveria estar vigilante e defender os interesses da cidade".

Movimento de opinião
Teotónio Pereira ressalva que lhe custa estar a criticar a obra de um colega - até porque partilha do princípio de que a liberdade de criação dos arquitectos não deve ser limitada. "Mas, perante este caso, não posso ficar em silêncio", observa. "Devia formar-se um grande movimento de opinião para impedir esta obra".

O PÚBLICO tentou ontem perceber os meandros da aprovação deste projecto, cujos passos decisivos foram dados nos mandatos de João Soares e de Santana Lopes. Mas a consulta do respectivo processo camarário não foi esclarecedora (ver caixa). Tentámos, igualmente, chegar à fala quer com Troufa Real, quer com a vereadora de Santana Lopes que aprovou o projecto de arquitectura, Eduarda Napoleão, sem sucesso. Igualmente infrutíferas foram as tentativas para obter declarações por parte do actual vereador do Urbanismo, o arquitecto Manuel Salgado.

Em 2007, a propósito da escultura de Rui Chafes que o escritório de advogados de José Manuel Júdice colocou em frente à sua sede, na Avenida da Liberdade, o presidente da autarquia, António Costa, mostrou-se de acordo com uma sugestão do PCP para a constituição de uma comissão municipal de estética. Este organismo serviria para evitar a profusão de "mamarrachos". A comissão, que de resto se destinava apenas à arte pública, acabou por não vingar.

< Anterior   Seguinte >
 
actas encontro 2015
actas encontro 2013
actas encontro 2010
actas encontro 2009
actas encontro 2008