Início arrow NOTICIAS arrow Projecto da Praça de Lisboa no Porto atrasado
Projecto da Praça de Lisboa no Porto atrasado Imprimir E-mail

Público, 04.06.2009, Patrícia Carvalho

A futura Praça de Lisboa já não vai ter um restaurante à superfície. Por sugestão do Igespar (Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico), o restaurante que deveria surgir num plano acima da cobertura ondulada, idealizada pelo gabinete do arquitecto Pedro Balonas, já tinha passado para uma cota mais baixa, mas a opção mais recente passa por retirá-lo completamente. O processo já ultrapassou, entretanto, todos os prazos previstos e a Urba-Clérigos não arrisca uma data para a inauguração do espaço.

Na UrbaClérigos ainda se aguarda que a Câmara do Porto aprove o projecto de arquitectura da praça. O documento, discutido com a Direcção Regional de Cultura do Norte (em representação do Igespar) foi sofrendo algumas alterações e foi já, informalmente, aprovado por aquela entidade. O parecer final ainda não deu entrada na câmara, e sem ele não é possível a aprovação. "Estão em curso algumas alterações ao projecto de arquitectura para contemplar as pretensões do Igespar, sendo que na semana de 15 a 19 de Junho será entregue à câmara um aditamento a esse projecto, que satisfará plenamente o acordado com essa entidade", explica ao PÚBLICO José Santa Clara, director de expansão da empresa Bragaparques que, com a John Neild Associados, constitui o consórcio UrbaClérigos.

A "alteração significativa" ao projecto é o desaparecimento do restaurante. "Foi eliminado", acrescenta, em resposta escrita, Santa Clara. O mesmo responsável adianta que não é ainda certo se a praça albergará um restaurante no seu interior: "[Isso] decorre do programa que ainda não estamos em condições de revelar", justifica. O Igespar nunca se mostrou muito favorável ao volume que o restaurante representaria no projecto de Balonas, pelo que, depois de se considerar o seu reposicionamento, optou-se por o fazer desaparecer.

A Praça de Lisboa desenhada no gabinete de Pedro Balonas é uma estrutura fechada, em vidro e betão, com uma cobertura ondulante. O trabalho desenvolvido com o Igespar levou a que a ondulação da estrutura se tornasse menos pronunciada, e que crescesse substancialmente a área da cobertura que ficará escondida por relva e árvores. Aquando da apresentação do projecto, em Fevereiro do ano passado, admitia-se que a nova praça estivesse pronta no prazo de 18 meses. Em Outubro, ainda se acreditava que os trabalhos poderiam arrancar no início deste ano e, em Março, José Santa Clara assumia um atraso "de dois meses". Agora, já não quer arriscar novos limites temporais. "É aparente que existe um atraso superior ao previsto há uns meses", diz. De momento, a única previsão que faz é a de quando poderão arrancar as obras. "Pelo andamento do processo, esperamos que se iniciem dentro dos próximos dois meses", afirma. Depois do arranque dos trabalhos no local, a UrbaClérigos defende que será necessário um ano para construir a nova praça, o que, na melhor das hipóteses, significa que a Praça de Lisboa poderá abrir com um ano de atraso em relação ao inicialmente previsto.

Neste momento, a grande incógnita que permanece é qual o espaço âncora que irá substituir a livraria Byblos, dada como praticamente certa no local, até declarar insolvência e encerrar as portas, em Lisboa, em Novembro do ano passado. A UrbaClérigos continua sem revelar quem preencherá o local deixado vago pela livraria e se a reformulação do programa de ocupação afectará os outros espaços comerciais da praça. A única presença sempre apontada como uma certeza é o Pólo Zero da Federação Académica do Porto, que deverá ocupar um espaço no piso zero da estrutura.

< Anterior   Seguinte >
 
actas encontro 2015
actas encontro 2013
actas encontro 2010
actas encontro 2009
actas encontro 2008