Início arrow NOTICIAS arrow Estar e gozar o Terreiro do Paço
Estar e gozar o Terreiro do Paço Imprimir E-mail

Expresso,  06.06.2009, Cristina Castel-Branco, Arquitecta paisagista 

O vazio e o conforto serão conciliáveis na Praça do Comércio? A discussão do Colóquio Internacional sobre as Praças Reais, organizado pela Universidade Autónoma em 2007, centrou-se neste problema. O vazio total criado pelos quatro hectares da Praça do Comércio foi defendido por vários arquitectos e historiadores na defesa da praça de aparato. A praça preparada com uma área de conforto para esplanadas ao longo das arcadas e com um estreito alinhamento denso de árvores na grande praça virada para o Tejo foi defendida por mim. Gerou-se a polémica.

A troca de argumentos vai ser retomada com a discussão pública que a solução apresentada pelo arq. Luís Jorge Bruno Soares irá suscitar. No Colóquio ficou por explicar porque defendo a reposição de árvores no Terreiro do Paço. Parto do princípio de que ambas as soluções podem coexistir na praça, ajudadas na sua interface com a presença de alinhamentos simétricos de árvores com 18m de largura de cada lado, criando uma faixa de sombra e de conforto. Quando se atravessa o Terreiro do Paço na metade turística do ano (Maio a Outubro), a única vontade é chegar a um lugar onde haja sombra. Não se fica à torreira do sol a gozar o Tejo. A praça é inóspita e os turistas queixam-se por não haver sítio de conforto de onde se possa apreciar o Tejo.

Além da correcta opção de alargar os passeios, que irá trazer conforto em esplanadas que prolonguem a sombra das arcadas, pode-se alterar o essencial do desconforto, criando áreas de sombra no terreiro central. Não surge nenhuma solução nesse sentido na proposta de Bruno Soares, mas a solução já lá esteve no século XIX (até 1929). Proponho três fiadas de árvores, plantadas ao longo do terreiro, com uma largura de 18m e podadas em sebe alta, o que cria sombra e melhora a excessiva abertura a Sul.

Árvores em sebe alta são árvores plantadas densamente, com os troncos limpos até 3m de altura e, a partir daí, podadas anualmente, formando uma superfície quase plana de cada lado e em baixo. São de folha caduca, permitindo que no Inverno todas as fachadas da praça se vejam através da renda de ramos sem folhas. O efeito final da Primavera ao Outono é de grande conforto, pois passeia-se por baixo de um paralelepípedo contínuo de folhagem e frescura, a vista para o rio e para as arcadas mantém-se intacta, o pavimento não reflecte a luz e, se houver bancos por baixo das árvores, pode-se estar. É o que acontece na Place des Vosges, no Jardim do Luxemburgo, ou em tantos parques rodeados de fachadas imponentes como as do Terreiro do Paço. As árvores convivem bem com a arquitectura e são atemporais. São baratas e duram muito.

Do ponto de vista social, as árvores quando oferecem sombra... é para todos. Para gozar o rio, sentado e à sombra, não será preciso pagar, como nas esplanadas. Qualquer um terá direito a um sítio de ‘estar’.

Do ponto de vista estético e da função urbanística da praça, com as árvores em sebe alta, conciliam-se as duas funções: a de aparato (no espaço central, que mantém vazios mais de 2,5ha, com o foco na estátua de D. José) e a de conforto e vivência dinâmica na praça, com uma área de sombra segura. Estes dois alinhamentos de árvores fazem a transição dos dois espaços.

Para criar sombra, Bruno Soares prefere toldos e sombra artificial. Veja-se a Expo-98. Passaram 13 anos sobre as primeiras plantações coordenadas por mim em Outubro de 1996. Veja-se a pujança das árvores e compare-se com a precariedade das estruturas artificiais de plástico amarelo. As árvores na Praça do Comércio precisam de pouca manutenção e duram 100 anos.

< Anterior   Seguinte >
 
actas encontro 2015
actas encontro 2013
actas encontro 2010
actas encontro 2009
actas encontro 2008