apoios
youtube
facebook
Início arrow Blog
Blog - Content Section Layout
A Programação na Gestão Territorial

Editorial


O Encontro Anual Ad Urbem 2012 é dedicado à programação na gestão territorial.

Tema que importa valorizar no actual contexto de escassez acrescida de recursos públicos mobilizáveis para o desenvolvimento e num momento histórico em que o nosso território apresenta níveis de infra-estruturação e equipamento elevados e o parque edificado se encontra claramente sobredimensionado face às necessidades populacionais e de utilização. Condições conjunturais que vêem de novo colocar-nos perante um desafio que, desde há muito, não temos querido ou sabido enfrentar: a necessidade de maior eficiência e de maior sustentabilidade nos investimentos e nas actuações territoriais.

A coordenação das actuações e dos investimentos públicos e privados no território tem sido, a par da fraca proactividade das autarquias na condução dos processos de urbanização, uma das grandes fragilidades da nossa gestão territorial. Predominantemente orientada para o licenciamento administrativo das operações urbanísticas e, mais recentemente, para a elaboração de planos de ordenamento do território, a nossa prática de gestão territorial tem cuidado pouco da organização das condições necessárias à atempada e eficiente execução dos planos, numa óptica de racionalidade e economia do desenvolvimento territorial.

A reforma legislativa de 1998-99 inovou relativamente ao antecedente, ao introduzir diversos instrumentos de programação, de coordenação e de contratualização das actuações entre entidades públicas e entre estas e as entidades privadas directamente interessadas no desenvolvimento territorial. Esse passo na modernização da nossa gestão territorial foi depois aprofundado por alterações legislativas subsequentes. Estamos concretamente a falar da melhor definição dos sistemas de execução dos planos, da introdução dos programas de acção territorial, do reconhecimento dos contratos para planeamento e dos procedimentos concursais, da afirmação da possibilidade de reversão do solo urbano em rural e da articulação entre a execução dos planos territoriais e a gestão geral dos municípios, através dos respectivos planos de actividade e orçamentos. 

Todavia, como demonstra a comunicação que a Comissão Organizadora preparou e apresenta no Encontro, estes avanços doutrinários e legislativos não tiveram o desejado eco na prática das entidades envolvidas nos processos de desenvolvimento territorial.

A nossa Administração territorial permanece amarrada a regras de gestão, a formas de organização, a métodos de trabalho e a princípios, objectivos e critérios de actuação técnica e jurídico-administrativa próprias do século que passou, que não acompanharam as alterações que ocorreram na natureza e percepção dos problemas de desenvolvimento territorial nem aproveitam plenamente as possibilidades criadas pela evolução da sociedade, dos conhecimentos e das tecnologias. 

A articulação entre os planos territoriais, os investimentos públicos sectoriais com impacte territorial significativo e os investimentos privados (os que são directamente dirigidos ao sector imobiliário e os que são dirigidos aos outros sectores produtivos) permanece deficiente, concorrendo objectivamente para frequentes situações de má utilização dos recursos mobilizados, tanto públicos como privados, e para a desvalorização do nosso potencial territorial, penalizando a qualidade de vida quotidiana dos cidadãos e a competitividade das empresas.

Mais do que repetidas alterações no quadro legal e regulamentar do ordenamento do território e do urbanismo, devíamos concentrar-nos em melhorar o modo como o aplicamos, pois estamos essencialmente perante um problema de cultura administrativa e de qualificação e capacitação dos agentes e das organizações para práticas mais eficientes e mais consentâneas com os desafios territoriais que enfrentamos.

É para pensar e debater sobre tudo isto que a Ad Urbem convoca a comunidade técnica e científica neste dia e meio de trabalhos. A estruturar o debate estão 3 temas que cobrem o essencial do que está em causa quando falamos de programação na gestão territorial:

A programação do solo nos PMOT (tema 1) - Como devem ser utilizados os instrumentos de programação do solo (classificação do solo, UOPG, unidades de execução, ARU, ADUP/ACP, etc.) e melhorada a sua relação com os sistemas de execução ? 

A negociação e contratualização das actuações urbanísticas (tema 2) - Como podem ser utilizados os instrumentos de programação e contratualização das actuações urbanísticas (PAT, contratos para planeamento e contratos de urbanização, ARU) e melhorada a sua relação com a programação municipal das principais políticas urbanas e territoriais (habitação, reabilitação urbana, mobilidade e acessibilidade, saneamento básico, etc.) e com o licenciamento das operações urbanísticas ? 

A coordenação dos investimentos públicos no território municipal (tema 3)Como melhorar a coordenação Estado/municípios na concepção e gestão dos programas de investimento público com impacte territorial significativo (infra-estruturas, equipamentos e serviços de interesse geral, desenvolvimento rural, apoio à inovação, eficiência energética), no quadro da participação das entidades regionais e locais na configuração e gestão do próximo quadro estratégico nacional 2014-2020, e qual o novo racional que deve orientar as políticas de estruturação territorial das redes de equipamentos e serviços de interesse geral da responsabilidade do Estado (saúde, justiça, ensino, apoio social), em substituição da antiga abordagem baseada nas grelhas de equipamentos associadas à clássica visão hierárquica dos sistemas urbanos e territoriais ?

Em nome da Comissão Organizadora e em meu nome pessoal,
Sejam bem-vindos ao Encontro Ad Urbem 2012.

Vitor Campos
Comissário
Encontro 2012. Documentação

Nesta página poderá consultar e descarregar toda a documentação relacionada com o tema do Encontro anual, textos das comunicações, bem como, as apresentações em PDF dos Slide Shows efectuados pelos diversos oradores e comunicantes.

ABERTURA     

Claudio Monteiro, Presidente da Ad Urbem  
Vitor Campos, Comissário do Encontro  [ Texto ]  

TEMA 1 | PROGRAMAÇÃO DO SOLO NOS PMOT  

Apresentação de comunicações   
Moderador: Manuel Miranda

A infraestrutura e a qualificação da urbanização extensiva - a valorização dos suportes   
Frederico Moura e Sá  [ Texto ]  [ Apresentação ]

Novos planos directores municipais: conciliar flexibilidade e programação     
Fernanda do Carmo  [ Texto ]  [ Apresentação ]  

Programar, para quê e como? 
Fernanda Paula Oliveira & Dulce Lopes  Texto ]  [ Apresentação]

A programação estratégica e operacional na nova geração de planos directores municipais     
Vitor Campos, Ana Catita, Ana Pinho & Elisa Vilares  Texto ]  [ Apresentação ]

A programação e execução do novo PDM de Lisboa      
Paulo Pais  Texto ]  [ Apresentação]  

Programação do solo ou programação urbanística? Reflexão em torno do actual excesso    
de oferta dos produtos urbanísticos face a dinâmicas sócio-económicas recessivas     
Margarida Pereira & Luís Grave  Texto 

TEMA 2 |  NEGOCIAÇÃO E CONTRATUALIZAÇÃO DAS ACTUAÇÕES URBANÍSTICAS
      

Apresentação de comunicações    
Moderador: Fernanda Paula Oliveira   

Os contratos para planeamento e a (in)admissibilidade de contratualização da avaliação ambiental 
Francisco Noronha  Texto 

Planeamento e regulação de equipamentos privados de uso colectivo:     
o centro comercial no centro do planeamento urbano      
Miguel Silva Graça  Texto ]  [ Apresentação]  

Aquisição de solo e planeamento público: o caso de Coimbra    
Magalhães Cardoso, Fernando Rebelo & Virginia Manta  Texto ]  [ Apresentação] 

Responsabilidade contratual por (in)execução dos contratos de planeamento  
Pedro Silva  Texto ]  

A equidade e eficiência no processo de urbanização. Caracterização da prática nacional   
de perequação em planos de pormenor     
Beatriz Condessa, Marco Rodrigues, Carina Pais & Ana Sá   Texto ]  [ Apresentação ] 

Da programação à execução: a experiência dos planos de pormenor    
Ana Barroco, Rute Afonso & Susana Magalhães   Texto ]  [ Apresentação ]
       
CONFERÊNCIA   
João Varejão Faria  Apresentação ]   


TEMA 3 |  COORDENAÇÃO DOS INVESTIMENTOS PÚBLICOS NO TERRITÓRIO MUNICIPAL    

Apresentação de comunicações  
Moderador:António Mendes Baptista 

O actual modelo de programação de equipamentos colectivos e as suas limitações:     
desafios e orientações para uma nova abordagem    
João Fermisson  Texto ]  Apresentação ]

Orientações para um investimento público de sustentabilidade da acessibilidade   
no território municipal e regional
Carlos Gaivoto  Texto ]  [ Apresentação ]

Programação contingencial e gestão flexível de planos    
José Antunes Ferreira & João Pedro Reis  Texto]  [ Apresentação ]

A Política de Coesão como instrumento para a programação do desenvolvimento territorial.    
A iniciativa Lisboa/Europa 2020    
Ana Pinho, Maria José Ribeiro, Teresa Almeida & Vitor Escária  Texto ]  [ Apresentação ]

MESA REDONDA  
ModeradorVitor Campos  
Constituição do painel
Jorge Carvalho 
António Porfírio Maia 
Josué Caldeira 
Teresa Sá Marques 
Ana Paula Remédios 

ENCERRAMENTO  
Vitor Campos, Comissário do Encontro  [ Texto ]  
Claudio Monteiro, Presidente da Ad Urbem   

Conclusão do Encontro

Contactos

Para outros esclarecimentos por favor contactar o secretariado da Ad Urbem.

Filomena Santiago
Horário:  Terças e Quintas-feiras, das 10h00 às 14h00. 
Telefone: 21 844 37 92  /  91 682 41 85
Fax.: 21 844 37 92 

Email:   

 

Ler mais...
O plano ainda vale a pena?
Incerteza e flexibilidade na gestão territorial


Editorial 

O plano apresentou-se, durante anos, como o instituto fundamental do direito do urbanismo português.

A sua importância decorre da própria Constituição da República Portuguesa que, no n.º 4 do seu artigo 65º determina que é aos instrumentos de planeamento que cabe a definição das regras de ocupação, uso e transformação do território.

Mas foi com a reforma legislativa de 1998-1999 (Lei de Bases da Politica de Ordenamento do Território e de Urbanismo e Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial) que adquiriu particular relevo, tendo passado a ser considerado como o mais importante instrumento de gestão do território. 

Em face dos atuais problemas que se colocam na ocupação do território, fruto, quantas vezes, dos próprios planos – ao acolherem ou, pelo menos, não contrariarem as políticas expansionistas e de nova urbanização instaladas, potenciadoras de fenómenos de dispersão e de segregação territorial – exige-se, atualmente destes instrumentos novas funções e o cumprimento de novos objetivos: de contenção da expansão urbana; de colmatação de espaços livres e/ou expectantes dentro da cidade; de reabilitação e requalificação urbanas e de coesão social/territorial.

Em face destes novos desafios pergunta-se, desde logo, se pode o plano ser visto como instrumento de coesão territorial (numa ótica de equidade) 
(i) nas suas distintas escalas de intervenção (nacional, regional, municipal), 
(ii) da perspetiva das diferentes tutelas que os suportam e
(iii) do ponto de vista da sua distinta finalidade, desde planos de estrutura aos programas de atuação.

Cabe também questionar se o plano se posiciona como um instrumento de regulação e desenvolvimento tornando-se relevante avaliar e discutir: 
(i) quais os tipos de plano e quais modelos de atuação urbanística mais eficientes?
(ii) se existem outros instrumentos de regulação e desenvolvimento (alternativas aos planos como instrumento de gestão do território) e quais?
(iii) Se os planos podem/devem adotar novas configurações que os dotem de flexibilidade e como?

Por fim, e partindo de uma visão do plano/planeamento como uma forma/procedimento de exercício do poder público, cabe determinar se o plano funciona como mecanismo de delimitação da ação pública, designadamente na perspetiva
(i) da sua articulação com os direitos fundiários,
(ii) da perequação de benefícios e encargos deles decorrentes,
(iii) dos limites à discricionariedade da administração pública.

É para pensar e debater estas questões e outras com elas conexas que a Ad Urbem convoca a comunidade técnica e científica para uma reflexão a ter lugar no dia 22 de novembro de 2013 em Coimbra.
.
Em nome da Comissão Organizadora e em meu nome pessoal,
Sejam bem-vindos ao Encontro Ad Urbem 2013.

Fernanda Paula Oliveira
Comissária


Documentos de divulgação: 
Encontro 2013 I Cartaz [ PDF ] 
Encontro 2013 I Programa 
[ PDF ]
Encontro 2013. Documentação

Nesta página poderá consultar e descarregar toda a documentação relacionada com o tema do Encontro anual, textos das comunicações, bem como, as apresentações em PDF dos Slide Shows efectuados pelos diversos oradores e comunicantes.

ABERTURA     

Claudio Monteiro, Presidente da Ad Urbem  
Vitor Campos, Comissário do Encontro  [ Texto ]  

TEMA 1 | PROGRAMAÇÃO DO SOLO NOS PMOT  

Apresentação de comunicações   
Moderador: Manuel Miranda

A infraestrutura e a qualificação da urbanização extensiva - a valorização dos suportes   
Frederico Moura e Sá  [ Texto ]  [ Apresentação]

Novos planos directores municipais: conciliar flexibilidade e programação     
Fernanda do Carmo  [ Texto ]  [ Apresentação ]  

Programar, para quê e como? 
Fernanda Paula Oliveira & Dulce Lopes  Texto ]  [ Apresentação]

A programação estratégica e operacional na nova geração de planos directores municipais     
Vitor Campos, Ana Catita, Ana Pinho & Elisa Vilares  Texto ]  [ Apresentação ]

A programação e execução do novo PDM de Lisboa      
Paulo Pais  Texto ]  [ Apresentação]  

Programação do solo ou programação urbanística? Reflexão em torno do actual excesso    
de oferta dos produtos urbanísticos face a dinâmicas sócio-económicas recessivas     
Margarida Pereira & Luís Grave  Texto 

TEMA 2 |  NEGOCIAÇÃO E CONTRATUALIZAÇÃO DAS ACTUAÇÕES URBANÍSTICAS
      

Apresentação de comunicações    
Moderador: Fernanda Paula Oliveira   

Os contratos para planeamento e a (in)admissibilidade de contratualização da avaliação ambiental 
Francisco Noronha  Texto 

Planeamento e regulação de equipamentos privados de uso colectivo:     
o centro comercial no centro do planeamento urbano      
Miguel Silva Graça  Texto ]  [ Apresentação]  

Aquisição de solo e planeamento público: o caso de Coimbra    
Magalhães Cardoso, Fernando Rebelo & Virginia Manta  Texto ]  [ Apresentação] 

Responsabilidade contratual por (in)execução dos contratos de planeamento  
Pedro Silva  Texto ]  

A equidade e eficiência no processo de urbanização. Caracterização da prática nacional   
de perequação em planos de pormenor     
Beatriz Condessa, Marco Rodrigues, Carina Pais & Ana Sá   Texto ]  [ Apresentação ] 

Da programação à execução: a experiência dos planos de pormenor    
Ana Barroco, Rute Afonso & Susana Magalhães   Texto ]  [ Apresentação ]
       
CONFERÊNCIA   
João Varejão Faria  Apresentação ]   


TEMA 3 |  COORDENAÇÃO DOS INVESTIMENTOS PÚBLICOS NO TERRITÓRIO MUNICIPAL    

Apresentação de comunicações  
Moderador:António Mendes Baptista 

O actual modelo de programação de equipamentos colectivos e as suas limitações:     
desafios e orientações para uma nova abordagem    
João Fermisson  Texto ]  Apresentação ]

Orientações para um investimento público de sustentabilidade da acessibilidade   
no território municipal e regional
Carlos Gaivoto  Texto ]  [ Apresentação ]

Programação contingencial e gestão flexível de planos    
José Antunes Ferreira & João Pedro Reis  Texto]  [ Apresentação ]

A Política de Coesão como instrumento para a programação do desenvolvimento territorial.    
A iniciativa Lisboa/Europa 2020    
Ana Pinho, Maria José Ribeiro, Teresa Almeida & Vitor Escária  Texto ]  [ Apresentação ]

MESA REDONDA  
ModeradorVitor Campos  
Constituição do painel
Jorge Carvalho 
António Porfírio Maia 
Josué Caldeira 
Teresa Sá Marques 
Ana Paula Remédios 

ENCERRAMENTO  
Vitor Campos, Comissário do Encontro  [ Texto ]  
Claudio Monteiro, Presidente da Ad Urbem   

Conclusão do Encontro

<< Início < Anterior 91 92 93 Seguinte > Fim >>

Resultados 901 - 910 de 926
 
actas encontro 2022
actas encontro 2021
actas encontro 2019